Notícias

Institucional

Base do Figueirense evolui com a participação das mulheres

Celeiro de craques como o lateral-esquerdo Filipe Luís e o atacante Roberto Firmino, a base do Figueirense é reconhecida pela capacidade de formar não só jogadores, mas cidadãos a cada ano. O sucesso dessa jornada conta com a contribuição diária de diversos profissionais, incluindo a assistente social, Josiane Resende, e a assistente administrativa, Agnes Appel.

No Alvinegro desde 2008, Josiane Rezende tem uma função fundamental na vida de cada atleta que se desenvolve em cada campo do Centro de Formação e Treinamento do Cambirela (CFT), em Palhoça (SC). Ao fazer o monitoramento diário, ela busca garantir o bem-estar físico, psicológico e social nas categorias inferiores ao profissional.

“Faço o acompanhamento dos meninos, principalmente dos que moram no alojamento do Estádio Orlando Scarpelli. Muitos chegam de outros estados e ficam longe da família. Nós buscamos dar o suporte necessário, pois é uma rotina intensa e de muita responsabilidade para todos”, afirmou, ao completar: “Procuro conversar bastante com todos para conhecer histórias, dificuldades e traumas. Acredito que a mulher, nesse sentido, tem uma sensibilidade maior, o que facilita no diálogo.”

Sobre a educação, Josiane ratifica que a regularidade escolar é quesito obrigatório para a permanência no Furacão e representa um diferencial para o futuro.

“Reforço sempre: a parte escolar é fundamental. Converso muito com eles para manter a mesma dedicação dos treinos nas aulas. O conhecimento é um bem caso o sonho de virar jogador não se concretize”, disse.

Em uma atuação conjunta, a assistente administrativa do departamento de Futebol, Agnes Appel, mostra emoção ao falar da convivência com tantos talentos e ver, com isso, a realização dentro e fora de campo.

“No dia a dia, procuro estar sempre disponível para acompanhar as necessidades dos jogadores. São crianças e jovens que demandam apoio. Por isso, é tão essencial o trabalho realizado pelo Figueirense. Com o tempo, a gente se sente cada vez mais preparada e motivada, pois nos orgulha ver as conquistas dos que passam pela base”, encerrou.

Ao falar da experiência de atuar em um esporte predominantemente masculino, Agnes ressalta o diferencial encontrado no clube que trabalha desde 2003.

“Para mim, é muito gratificante ser funcionária do Figueirense. Sempre fui respeitada por todos aqui, desde a minha chegada. Apesar de um clube de futebol ser um universo mais masculino, nunca tive problemas, pois existe uma cultura de valorização das mulheres”, afirmou.






Parceiros

Marcas que jogam junto com o Furacão

  • Liderança
  • Governo Federal
  • Topper
  • InfoTV
  • Baly
  • BrahmaBrahma